Menu Fixo

Menu-cat

08 setembro, 2013

Contos Nossos : Caçadora de Almas

Caçadora de almas


 Era uma noite fria e chovia muito. A chuva limpava o sangue das mãos da menina de capuz e descalça, que cavava uma cova com uma pá pesada. Fazia força em cada punhado de terra que retirava do buraco, a sua raiva mortal era maior que sua fraqueza. Queria acabar  com  “aquilo” de uma vez. Cavou, cavou até ficar exausta e encharcada por conta da chuva.


 Empurrou um carrinho de mão que estava encostado ao lado das catacumbas  e jogou o embrulho de sacos pretos dentro da cova. Jogou a terra loucamente para dentro do buraco. Ainda parecia desnorteada com tudo que acontecera. Ouviu o barulho de um carro próximo e resolveu fugir dali. O chão estava todo escorregadio e sujo. Não dava para correr direito. A chuva foi diminuindo, e junto seu nervosismo também. Não sabia o que fazer, aliás, nunca tinha feito isso antes. Nunca precisou daquilo.

 Resolveu sair daquele cemitério assombroso. Andou pelas ruas chorando, e sem rumo. Percebeu que um carro a seguia. Tentou se esconder, mas o carro continuou seguindo-a. Correu no meio dos carros, indo para o outro sentido da rua. O carro não teve como continuar a seguir. Começou a achar que era tudo delírio da sua imaginação, quando olhou para suas mãos e percebeu que lhe faltava um dedo. Resolveu terminar a vingança.

- Ele não foi o primeiro. Vou vingar por mim e minhas amigas.

CONTINUA ....

Até , Ronald Onhas ! 











                                                                            

Um comentário:

  1. Um bom começo..deixando leito cheio de interrogações na cabeça ... vamos vê como a história continua

    ResponderExcluir