Menu Fixo

Menu-cat

25 outubro, 2013

CONTOS NOSSOS : Pryscilla (Final)



    
     Quando Pryscilla chegou ao condomínio luxuoso, Fred seu "amigo"  já estava a sua espera sentado na  cama , portando apenas  roupa íntima, com duas taças de vinho a mão. A moça quando o viu  se lembrou de tempos remotos  e sorriu dizendo :
- Quanto tempo tempo meu querido Fred, saudades de mim?
Fred mais que depressa respondeu :
- Como não sentir falta desse corpo que me estremece  e me deixa louco.Espero que dessa vez  esteja decidida, não quero que  volte atrás como fez da última vez quando lhe  fiz a proposta .
- Já estou decidida . Não tenho nada que prenda aqui no Brasil, o que mais quero é distância desse país.
- Ótimo , agora venha il mio amato*, tenho saudades desse teu corpo moreno e macio que mata de prazer .
  Pryscilla já sabia o que ele queria e o satisfez . Depois de terminado o coito a moça foi tomar banho e resolveu ligar para seu secretário Caike, pois precisava avisar alguém que iria sair do Brasil. Discou o número e ligou , Caike atendeu e perguntou:
- Onde você está Pri , fui até sua casa e  não a encontrei .
- Estou de malas prontas , vou para a Itália com meu "amigo" Fred, só liguei para avisar  caso alguém pergunte por mim . – Respondeu Pryscilla secamente. Do outro lado da linha Caike sentiu como se uma faca tivesse transpassado seu coração quando ouviu tais palavras de sua amada, não sabia o que dizer silenciou por cerca de 2 minutos , Pri estranhou e disse:
- Caike você está vivo ? Caike não vai dizer nada , nem mesmo boa viagem ? Esperava mais de você .
   Caike mais que depressa repondeu :
- Pri você não pode ir , não pode me deixar .
- Caike você é meu amigo e meu secretário , nos vamos manter contato eu prometo te ligar toda semana , e além do mais não posso perder essa chance de melhorar de vida . Já estou cansada dessa fossa na qual eu vivo aqui no Brasil, os homens só querem me usar e não sabem me amar da forma que eu queria ,  e na Itália terei a chance de mudar de vida e recomeçar  . Mas me diga , porque você acha que eu  não deveria ir ?
- Pri você está enganada . Me ouça não vá antes de se despedir pessoalmente de mim , preciso lhe contar uma coisa . Me encontre daqui a 30 minutos na praia , naquele quiosque em Copacabana que costumamos ir sempre .
- O avião parte hoje a noite , não tenho muito tempo pra conversar , mas irei , quero saber o que tens de tão importante para falar comigo.
     Desligou o telefone e foi se arrumar para se encontrar com Caike . Disse a Fred que iria a farmácia comprar remédio pra enjoo e que voltaria logo .
Quando chegou no lugar do encontro/despedida, Caike já estava ansioso a  sua espera. Pri o abraçou e os dois sentaram  para uma breve prosa. Pryscilla inquieta e curiosa perguntou a Caike o que ele tinha a lhe dizer . Caike sem coragem nenhuma e tremendo feito uma vara verde , começou dizendo :
- Pri preciso lhe dizer .... silenciou .
- Pare de tremer e diga logo Caike .
-  Pri preciso dizer que você está enganada ao pensar que  nenhum homem te ama . Existe sim um homem que te ama , e te admira  muito . Ele sempre esteve tão próximo , que você nunca o notou. Nem sei como estou conseguindo dizer isso , mas você não pode ir , não pode me deixar . Sem você minha vida não terá sentido  ...
   Pryscilla ficou espavorida , pois jamais percebera que Caike poderia gostar tanto dela assim. Lágrimas correram em seu rosto ,e de súbito se sentiu amada com aquelas palavras , pois nunca nenhum outro homem havia dito palavras tão sinceras e bonitas como Caike disse.
    E sem dizer nada se aproximou de Caike e o beijou intesamente  como jamais havia beijado outro homem , pois naquele momento ela beijava um homem que não desejava apenas seu corpo , ele a amava e a desejava por inteiro de corpo e alma . E juntos naquele entardecer , na praia de Copacabana o amor apareceu para Pryscilla.

Até mais ,
Lorraine Dobrovosk 

24 outubro, 2013

Coluna 6

6 ESCRITORES QUE VOCÊ PRECISA CONHECER

                                José Saramago

Escritor Português, nascido em 16 de novembro de 1922 em uma aldeia ao sul do país, iniciou sua atividade literária em 1947, com o romance “Terra do Pecado”. Seus pais eram analfabetos. Sua origem influenciou o modo de escrever, caracterizado pela liberdade no uso da pontuação. Recebeu em 1998, o Prêmio Nobel de Literatura.
            Publicou várias obras desde então, mas dentre seus escritos, o que mais me interessou foi “Ensaio sobre a cegueira”, publicado no ano de 1995 e adaptado para o cinema em 2008 pelo brasileiro Fernando Meirelles. Quando tive o primeiro contato com o livro, eu pensei: “Meu Deus, a editora errou, esqueceram-se de colocar pontuações!” O livro (não só ele, dado que era uma característica do autor) é livro do uso de pontuações, traz uma critica muito pertinente, temáticas fortes como a transformação de homens em animais em busca da sobrevivência.
Pouco a pouco todos os personagens começam a sofrer da “cegueira branca” e são presos em um manicômio por ordem do governo, acreditando que é uma doença contagiosa, somente uma mulher consegue enxergar e guiar um grupo. Saramago presa pelo anonimato dos personagens, todas as regras dos homens são quebradas, os personagens esquecem-se de sua humanidade e passam a agir como bichos. È ai que o autor coloca sua questão principal, além dos questionamentos sobre enxergar X ver.
Enfim, existem muitas outras questões existentes dentro do enredo do texto, mas que não cabem ser ditas aqui, que é um breve contexto sobre o autor, vale apena conferir suas obras, segue um trechinho de “Ensaio sobre a cegueira” para deixar um gostinho de quero mais!
“Não lhe encontro qualquer lesão, os seus olhos estão perfeitos. A mulher juntou as mãos num gesto de alegria e exclamou, Eu bem te tinha dito, eu bem te tinha dito, tudo se ia resolver. Sem lhe dar atenção, o cego perguntou, Já posso tirar o queixo, senhor doutor, Claro que sim, desculpe, Se os meus olhos estão perfeitos, como diz, então por que estou eu cego, Por enquanto não lhe sei dizer, vamos ter de fazer exames mais minuciosos, análises, ecografia, encefalograma, Acha que tem alguma coisa a ver com o cérebro, É uma possibilidade, mas não creio, No entanto o senhor doutor diz que não encontra nada de mau nos meus olhos, Assim é, Não percebo, O que quero dizer é que se o senhor está de facto cego, a sua cegueira, neste momento, é inexplicável, Duvida que eu esteja cego, Que ideia, o problema está na raridade do caso, pessoalmente, em toda a minha vida de médico, nunca me apareceu nada assim, e atrevo-me mesmo a dizer que em toda a história da oftalmologia, Acha que tenho cura, Em princípio, porque não lhe encontro lesões de qualquer tipo nem malformações congé-nitas, a minha resposta deveria ser afirmativa, Mas pelos vistos não o é, Só por cautela, só porque não quero dar-lhe esperanças que depois venham a mostrar-se sem fundamento, Compreendo, Pois é, E deverei seguir algum tratamento, tomar algum remédio, Por enquanto não lhe receitarei nada, seria estar a receitar às cegas, Aí está uma expressão apropriada, observou o cego. [...]Nessa noite o cego sonhou que estava cego." ( Ensaio sobre a cegueira, José Saramago, 1995)

CONTOS NOSSOS: Pryscilla (Parte 4)


Pryscilla estava sendo submissa aos desejos de Daniel, mas de repente em um lapso de memória, ela lembrou-se da força com que ela negou seu antigo trabalho e de como sua faculdade a ressignificou , ela não queria ter um destino medíocre, queria mais e para ter mais ela teria que cortar relações com tudo que ligava seu passado. Separou-se de Daniel, e disse as palavras que mudariam seu destino para sempre:

- Chega Daniel, você não é meu dono, eu quero muito mais, e você é muito pouco para mim.
- Ora, sua cadela, você nunca será nada mais a vagabunda que você é! 

-Você vera a bela cadela aqui crescer querido!

Pryscilla saiu da cozinha rebolando e seguiu para a sala. A festa transcorreu tranquilamente como se nada houvesse ocorrido entre Pryscilla e Daniel. A festa terminou e ela seguiu para sua casa, encontrando novamente seu pai em um estado degradante, ele aparentava ter tomado uma surra, deveria ser por suas dívidas com a droga.
Cansada desta vida ela arrumou suas coisas, não era muito mesmo, nem tocou em seu pai sabia que era um caso perdido, chamou um táxi e seguiu para um condomínio luxuoso, uma proposta muito antiga lhe tomava seus pensamentos, pegou o celular e discou para o numero esquecidos entre os meses conturbados entre tentar salvar seu pai e sua vida.

-Resolveu aceitar a proposta dolcezza*?

-Sim, vou estudar na Itália de acordo com a sua condições.

-Então venha, estou te esperando , já sabe o caminho, até mais il mio amato**

* Querida


** Minha amada.

23 outubro, 2013

Coluna 6

6 ESCRITORES QUE VOCÊ PRECISA CONHECER

Lygia Fagundes Telles



Autora paulistana que nasceu em 19 de abril de 1923, quarta ocupante da décima sexta cadeira na Academia Brasileira de letras. Lygia Fagundes Telles publicou seu primeiro romance, “Ciranda de Pedra”,em 1954, que posteriormente tornou-se novela na Rede Globo.
Lygia Fagundes Telles entrelaça á realidade ao efeito da fantasia, marcado perfeitamente em sua obra “Seminário dos ratos”, meu primeiro contato com seus escritos. A obra traz uma junção de problemas do ser humano, conflitos e medos, no período do século XX.
O século XX havia sido palco de guerras, uma delas a Guerra Fria, além do inicio do domínio das máquinas no campo tecnológico, no campo artístico o modernismo e as vanguardas, a psicanálise e a revolução sexual. Assim, a autora procura flagrar e revelar a reação dos personagens ante os dilemas e as incertezas de sua relação com os outros e com o mundo.
Dois contos que considero interessante e “Seminário dos Ratos” é “Tigrela” e “Herbarium”. Em “Tigrela”, a narradora encontra uma amiga, Romana, bêbada conta a narradora que com uma tigresa, que mostra-se ambígua, ao ser retratada como animal e mulher, dado que executa ações como ouvir música,embebedar-se ter ciúmes,principalmente quando Romana conta de sua relação com o marido.
Em “Herbarium”, o conto relata a paixão de uma adolescente por seu primo botânico, sua mudança de hábitos para conquistar seu amor e súbito interesse por aprender botânica:
“Herbarium, ensinou-me logo no primeiro dia em que chegou ao sítio. Fiquei repetindo a palavra, herbarium. Herbarium. Disse ainda que gostar de botânica era gostar de latim, quase todo o reino vegetal tinha denominação latina. Eu detestava latim mas fui correndo desencavar a gramática cor de tijolo escondida na última prateleira da estante, decorei a frase que achei mais fácil e na primeira oportunidade apontei para a formiga saúva subindo na parede: formica bestiola est. Ele ficou me olhando. A formiga é um inseto, apressei-me em traduzir. Então ele riu a risada mais gostosa de toda a temporada. Fiquei rindo também, confundida mas contente: ao menos achava alguma graça em mim”.( Os melhores contos de Lygia Fagundes Telles, 1984.)
Bem é isso, não deixe de apreciar as obras da autora os contos e os romances, a literatura sempre vai melhorar e resignificar algo!

“Alguns dos meus textos nasceram de uma simples frase ou de uma imagem, algo que vi e retive. Outros nasceram de algum sonho, enfim, a maior parte dos meus trabalhos deve ter origem lá nos emaranhados do inconsciente – a zona vaga e obscura como um fundo do mar: o ato da criação literária é sempre um mistério. Impossível determinar as fronteiras do criador e da criação. Do imaginário e do real. Há quem considere Minha obra com certo travo amargo, mas não participo dessa opinião. E o humor? Anoiteço às vezes, como toda gente, mas espero na manhã. Então espero por essa manhã com seu grão de loucura E de imprevisto.” (Lygia Fagundes Telles).

Até mais , Nathalia Dias 

CONTOS NOSSOS : Pryscilla (Parte 3)


  Chegou o dia do aniversário de sua madrinha  , e pri decidiu que não iria pois não queria encontrar Daniel, porém minutos antes da festa o telefone tocou , era sua madrinha que queria saber porque pryscilla não ia a festa.
 Madrinha – Pri , fiquei sabendo pelo seu pai que você não virá a minha festa.
 Pri- É Madrinha estou muito ocupada ,tenho muitas provas para corrigir.
 Madrinha – Mas isso não é motivo , você é minha afilhada preferida vou ficar muito triste se você não vim.
 Pri- Ta bem madrinha eu irei a sua festa.. 
 Pri  resolve ir pois já havia feito mal a sua madrinha  e não queria ver ela triste . Então pri ligou para caike e pediu que ele lhe acompanhasse pois não queria ir sozinha, ele concordou se arrumou e passou na casa dela para leva-la a festa. 
 Chegando no aniversario a primeira pessoa que pri avistou foi Daniel que não parava de olha-la .
 A festa ainda estava começando e sua madrinha ainda não havia organizado tudo , ela pediu para caike checar o som enquanto  pri ia ate a cozinha buscar os refrigerantes .
  Pri seguiu em direção a cozinha , Daniel viu e foi logo atrás sem que ela percebesse , ela se abaixou para pegar os refrigerantes e quando levantou deu de cara com Daniel que a olhava com um olhar devorador e a pressionava em direção ao seu corpo.
      Pri desespera disse – você está louco Daniel?
      Daniel- Só se for por você gata!
                  Me da logo um beijo , eu sei que você está louca pra fazer isso.
      Pri-Para com isso , já faz muito tempo eu já te esqueci .
      Daniel- mentirosa , você sempre fala que já me esqueceu mas é mentira ,você é doida por mim ..
  Daniel Começou a beija-la e acaricia-la  , pryscilla tentou resistir mas logo se entregou ao desejo que parecia ser mais forte do que ela.

Continua...


    Abraços , Loyane Marchesini

22 outubro, 2013

COLUNA 6

6 ESCRITORES QUE VOCÊ PRECISA CONHECER

Clarice Lispector 

Já ouvi falar de Clarice Lispector? Já? Sabia. Foi no facebook né? Clarice Lispector é dona das frases mais comentadas e compartilhadas nas mídias sociais,  desde frases de amor até de alto ajuda. Não! Não mesmo. Clarice não escreve esse tipo de coisa,  porque conselho de amizade e superação é coisa, e não é de Clarice. Ok? Não saia compartilhando, o dando ctrl c e ctrl v em textos da internet com nome de Clarice, pois nem tudo é Clarice. Ah, e infelizmente nossa "diva" já morreu, e não tem dando nenhuma entrevista por aí. tsc tsc 
 Mesmo com todas essa qualidades nunca fui fã de Clarice. Sei lá pessoas que gostam de Clarice sempre me deram um "nojinho", por serem metidas a cultas. Então tive o primeiro contato com ela, no conto “A galinha”, comecei devagar, com um conto leve, gostoso e divertido. E confuso! Normal, afinal era Clarice Lispector. Precisei ler mil e novecentas vezes (que hipérbole), mas tive que reler para entender. Pois ler Lispector é dessa maneira. Depois, me atrevi a ler Paixão segundo Gh, com aquela coisa de terceira perna e não sei mais o quê. Desisti. Traumatizei! Não quis saber dessa tal "monstro da literatura", Clarice Lispector.
  Até que conheci Macabéa, que paixão, que amor, que doçura. Conheci-a em “A hora da estrela”,livro de quem? Dela mesma Clarice Lispector. Nesse livro apaixonei pela personagem nordestina e inocente, revoltei com Olimpo e surpreendi-me ao ler um narrador contando a história de uma personagem e ao mesmo tempo narrando sobre sua vida ao escrever a personagem. 
  Nunca tinha lido algo assim. Era diferente. Era Clarice Lispector! Por que conhecer Clarice Lispector? Porque ela é uma das melhores escritoras (contos e romances) do Brasil. Modernista, feminista e genial. Tinha como peculiaridade, a epifania de seus personagens. Além de ter sempre a mulher como centro de suas obras.  


21 outubro, 2013

Contos Nossos - Pryscilla (parte 2)


   Caíke, ao contrário de Daniel, era um cavalheiro. Sempre muito prestativo e educado, era o melhor amigo de Pryscilla. Mas, o que ela não sabia, era que ele era apaixonado por ela. Aliás, ela nunca iria desconfiar, pois achava que ele era gay, porque nunca o viu ficando com uma garota. Mas o motivo era que ele era discreto.

   
   O rapaz não gostou nada da cena que viu ao chegar no quarto de Pryscilla. Eles já haviam conversado sobre Daniel, que a moça deveria esquecê-lo, pois este só queria aproveitar-se dela. Vendo uma possibilidade de isso acontecer de novo, Caíque bolou um plano. Ele daria um jeito do pai da moça vê-los juntos e acabar com esse caso de vez para que pudesse se declarar para Pri, sem ninguém no caminho para atrapalhar.

   
   Apesar do plano também prejudicar a sua amada, Caíke já havia pensado em tudo. Se o pai de Pryscilla a expulsasse de casa, ele a levaria pra morar com ele, o que ajudaria mais ainda a conquista-la.



COLUNA 6

6 ESCRITORES QUE VOCÊ PRECISA CONHECER


RUBEM BRAGA


  Nunca ouviu falar sobre Rubem Braga? Não é possível? Já leu uma crônica? Se leu, com certeza ouviu falar do “jardineiro de Ipanema”, o Rubem Braga.  Ele foi um dos percussores do gênero crônica e um dos mais famosos. Crônica, aquela “espécie” de texto tão gostoso de ler, tão breve, tão reflexiva.  Tá, daí que ele nunca escreveu um romance? Mesmo assim é considerado um dos melhores escritores do país. Além de ser cachoeirense!   Para nós cachoeirenses ele é referência, com suas crônicas e seu marco na literatura brasileira e capixaba. A bienal de nossa cidade possui seu nome, “Bienal Rubem Braga”, a casa onde ele morou é frequentemente visitada por turistas que visitam Cachoeiro.

  Mas não é por isso que considero Braga um dos melhores escritores do país. Ele é autentico atemporal e tem à simplicidade como sua melhor amiga. Sempre gostou de abordar em suas crônicas temas com predileção á natureza, além de escrever sobre as mulheres e a infância. 
  Braga adicionou a suas crônicas uma leveza de poesia e o lirismo, bem diferente daquelas crônicas “secas” dos jornais diários. “O pé de milho”, “O conde e o passarinho”  e “A borboleta amarela”, são umas das obras mais famosas do autor.Tinha como amigo ninguém mais que o “poetinha”, Vinicius de Moraes que o apelidou de “fazendeiro do ar” e Clarice Lispector disse uma vez “Há mil Rubens dentro de Rubem Braga”. Esse ano comemoramos o centenário de Rubem Braga que para nós é referência de literatura.


Ronald Onhas Grolla