Menu Fixo

Menu-cat

22 janeiro, 2014

Curvas de Verão - Parte FINAL

Parte 3
Os dois rapazes disparam tiros na direção do carro de Rodolfo. Eduardo acelera em cima dos dois que saem da frente atirando, os dois jovens entram no carro atrás de Eduardo e Rodolfo. O carro, com os dois bandidos, persegue o carro de Rodolfo e Eduardo.
- Seu assassino ! Você é bandido ? – pergunta Rodolfo indignado.
- Responde, cara. Eu não quero morrer por sua causa, seu cretino! – diz Rodolfo tentando empurrar o volante do carro. Rodolfo, tenta com toda força jogar o carro para fora da estrada.
- Para, seu inútil. Nós vamos morrer de qualquer jeito. Agora já era, você vai morrer comigo. – diz Eduardo friamente.
- O que você fez para esses caras ? Deixa eu sair desse carro! – grita Rodolfo desesperado.
- Eu matei o irmão deles – diz Eduardo secamente.
- O que? Seu assassino !! - grito Rodolfo, socando freneticamente os braços de Eduardo, que conduz o volante.
- Era o meu namorado – diz Eduardo chorando. Rodolfo sentiu o medo percorrer todo seu corpo, não conseguia acreditar que Eduardo fosse gay. - Meu amor, minha paixão. Eu não sou gay .. quer dizer. Eu não era .. Não é hora para falarmos sobre isso. Você deu azar de me achar - Rodolfo fica em choque.
- Você já amou alguém? - pergunta Eduardo desesperado. Rodolfo não responde - Responde, porra. Você já foi obrigado a fazer algo para ficar com a pessoa que ama ? Você já foi obrigado a mentir para sua família, para os seus amigos só para ficar com a pessoa que você ama? Você já foi obrigado a ficar longe do seu amor ? Você já precisou fingir que gostava da gostosa, enquanto gostava do mocinho?
- Não né ? Porra, então não me julgue, sua bicha – diz Eduardo em lágrimas.
- Seu bandido. Pare esse carro – diz Rodolfo socando novamente Eduardo. - Eu não vou morrer. Seu bandido. Seu mentiroso. Eu quero sair daqui – Rodolfo soca as portas que estão fechadas.
- Desculpe, Rodolfo. Mas eu não tenho escolha ... Eu te amo Bruno - diz Eduardo, sendo socado por Rodolfo e soltando o volante. Eduardo se aproxima de Rodolfo, e lhe beija com toda intensidade. Sua língua percorria o céu da boca de Rodolfo, e Rodolfo correspondia, esquecendo que sua vida estava prestes a terminar. Até que todos os sentidos ficaram imoveis, surgiu uma curva, e o carro colidiu com um caminhão na pista. Eram 12:00 horas, de janeiro, de um dia de sol. O sol escaldante, de 38º graus, sol de verão, iluminando as curvas de verão e presenciando os amores e as tragédias da curvas da vida.


21 janeiro, 2014

Curvas de Verão - Parte 2


O carro estava quente, nem o ar dava conta do calor de verão. Afinal era janeiro, era verão, mês do fogo ardente. Eduardo estava impaciente . Não falava nada, ficava olhando a estrada como se fosse o infinito, algo que não acabava. Talvez com medo ou fugindo de alguma coisa. Já era quase umas 08:00 horas da manhã. O sol de verão já iluminava a estrada.

- Tem cigarro ? - pergunta Eduardo. Rodolfo faz que “não” com a cabeça.
- Tem nada pra comer aí não mano ? - insiste Eduardo.
- Eu não fumo! E comida …. hum … – diz Rodolfo tirando uma barra de cereal do porta chaves e dando a Eduardo. Eduardo pega na mão de Rodolfo, que arrepia. Eduardo come o cereal em uma só mordia, e Rodolfo ri, esquecendo que carregara um estranho no seu carro.
- Acredito que ainda esteja com fome. Posso comprar alguma coisa no posto, daqui há alguns metros tem um. Ok ?
- Beleza,tô na fome. Valeu. Eaí, o que você faz da vida? Advogado? Empresário? - pergunta Eduardo querendo se distrair.
- Não, sou escritor – diz Rodolfo. É … e você tá fugindo …. ? - Rodolfo pergunta com medo.
- Cara, é melhor você não ficar com perguntinhas nenhuma. Só porque perguntei sobre você não quer dizer que eu vou ficar com você. Conheço o jogo de vocês. Você me atropelou, então acho que eu tenho direito a uma carona. Eu não sou o vilão dessa história, fique tranquilo – disse Eduardo.
- O que ? Seu ignorante, eu só queria saber … Não sou desses … esquece - retruca Rodolfo constrangido.
Rodolfo aumenta o som do rádio do carro, ignorando a presença de Eduardo. Rodolfo,entra na lojinha de conveniência do posto e esbarra em dois rapazes mau encarados. Compra algumas porcarias, refrigerante, balas e o cigarro. Também, não esqueceu de comprar alguns medicamentos e gaze para cuidar do machucado de seu gato – quer dizer, de sua vitima. Enquanto isso, Eduardo revira as coisas de Rodolfo no carro, pega algumas notas de dinheiros, e um óculos rayban preto, que logo coloca no rosto. Eduardo sai do carro sem que Rodolfo o veja. Rodolfo se aproxima do carro e não vê Eduardo. Eduardo vê uns dois rapazes de boné, de aparência suspeita maconha. - Cacete, ferrou – pensou Eduardo, que volta para o carro abaixado, junto de Rodolfo.
- Onde você foi, cara ? Já está melhor ? - pergunta Rodolfo desconfiado.
- “ Véi”, vamô sair daqui! – ordena Eduardo com uma face desesperada.
- Chega! Não vou lhe ajudar, enquanto você não falar a verdade. Você está fugindo da polícia né? – diz Rodolfo impaciente.
- Anda mano, senão eu “estoro” seus miolos – diz Eduardo, apontando uma arma para Rodolfo, enquanto uma mulher que está próxima, dá um grito ao presenciar ação de Eduardo. Eduardo atira no peito da mulher, que caí ensaguentada no chão. Os dois caras veem Eduardo, que empurra Rodolfo para dentro do carro, tomando o volante e acelerando.

20 janeiro, 2014

Curvas de Verão


Parte 1 
Rodolfo dirigia numa velocidade permitida naquela estrada perigosa e deserta, e escutava na sua “playlist” os “hits” verão. Músicas chicletes que grudavam na cabeça e não saía por nada. Seu carro estava uma bagunça, sujo de areia, aliás, acabara de voltar do literal, onde fora visitar sua mãe e seus primos. Tivera um final de semana de muita tranquilidade em família. Precisava voltar, mesmo com sua mãe preocupada devido a um crime ocorrido no dia anterior, tinha que trabalhar no dia seguinte. Afinal, precisava do emprego. Para evitar complicações, resolveu pegar a estrada bem cedinho, para evitar ataques noturnos por delinquentes desnorteados. BUUUUUUUUUUUUM.
Rodolfo freou o mais rápido possível, mas algo estava no chão. Era um rapaz, levemente machucado e ensanguentado, provavelmente estava desacordado. Rodolfo saiu do carro, e foi até o moreno, alto, bonito e sensual. O cara que aparentava uns 27 anos estava sujo, com a calça jeans rasgada, e sem camisa. Rodolfo ficou preocupado não sabia o que fazer, voltou pro carro. Encostou o carro perto do atropelado, arrastou-o para dentro do carro, e o colocou na parte traseira do carro. Tentou ligar para a ambulância mas não tinha sinal de celular. Ficou desesperado ao ver aquele homem desmaiado em sua frente. Deu partida, e saiu daquela estrada deserta e perigosa. Seguiu mais alguns quilômetros, uns 20 minutos depois , já com o dia amanhecendo, pegou o celular.
- Porcaria de operadora, quando eu mais preciso ela não funciona... O que eu vou fazer? – se pergunta Rodolfo olhando para o homem. - Será quem é ele ? – pensava Rodolfo em sua mente inquieta.
O rapaz balbuciava algumas palavras soltas como se estivesse em uma pesadelo correndo de alguém. Ele gritava “ eu te amo”, “solta essa arma”, “ é o único jeito”. Rodolfo começara achar que ele fosse um fugitivo da polícia ou até um criminoso, e decidiu procurar algum documento na sua bermuda. Rodolfo admirou seu corpo másculo, QUE CORPO, passou as mãos nos bolsos do rapaz na tentativa de encontrar alguma pista da identidade do atropelado. Colocou a mão por dentro da calça do rapaz, quando de repente , levou um susto com o despertar dele. O rapaz ficou assustado e ameaçou bater em Rodolfo.
- Desculpe-me, eu só estava … Preciso levá-lo para um pronto socorro … você apareceu do nada ….
- Nada de pronto socorro. Estou bem cara. Você vai pra onde ? - cortou o atropelado.
- Vou para capital. Posso lhe deixar onde ? - perguntou Rodolfo nervoso.
- Vou com você. Como é seu nome ?
- Rodolfo.
- Liga o motor aí patrão, chega de conversa.
Rodolfo acelerou. O celular deu sinal de vida. 

09 janeiro, 2014

Herdeiros do Trono

Herdeiros do Trono

Elysanna Louzada

Editora Ases da Literatura

348 páginas

Personagens : Eloise, Tommy, Isabel, Pedro, Laura, Elga ... 











 Quando resolvi ler Herdeiros do Trono, confesso que estava preparado para ler algo similar com A GUERRA DOS TRONOS  (George R. R. Martin), uma história de missões, reis, rainhas, guerras e cavalaria. Mas, fui eu, quem caiu do cavalo, a narrativa me surpreendeu, por ser de excelente qualidade e com história oposta do que pensei.  O livro é uma aventura emocionante de quatro corajosos adolescentes, Eloise, Tommy, Isabel e Pedro,  que buscam respostas relacionadas aos enigmas de suas vidas e de seu povo, um destino de escolhas e fé.
Confesso também, que minha personagem preferida não era a queridinha Eloise, e sim a destemida e habilidosa Isabel, todas as falas dela me encantam.  Mas, gostei muito do quarteto formado pelos dois casais de irmãos, cada um com sua personalidade marcante, bravos guerreiros, que somaram respectivamente a história. Os anões também são personagens interessantes por suas engenharias, habilidades e ensinamentos. Mas, toda boa história precisa de um vilão a altura dos mocinhos, neste caso uma vilã, Elga Belmont, é a rainha má e sanguinária que sustenta a narrativa.
Ah, vale ressaltar que o mundo criado pela autora, Petra, é espetacular. A autora conseguiu de forma presunçosa e magnífica, contornar todos os lugares do Reino Unido de Petra, cada lugar desde o Cabeça de Búfalo, até as Terra dos anões, foram construídas delicadamente nas linhas do livro. Nota-se uma analogia bem marcante do mundo fantástico da história com as histórias bíblicas. O livro discute política, a guerra de mestiços e gazares, que acentuam esse Q de embates na narrativa.










O livro é para quem gosta de aventura, guerra, conflitos, reis, rainhas, anões, lutas e principalmente amor, porque os romances deixam a narrativa mais delicada. Adoro o triangulo amoroso envolvendo Eloise ( não darei SPOILERS com quem), com certeza foi uma das partes que eu mais gostei. Em geral, o livro é para todo tipo de público, é para quem 
gosta de ler.  Ah, por último, parabéns a autora por dividir as partes do livro, com Adélia Prado e Fernando Pessoa, esses são inspiradores.


02 janeiro, 2014

O preço de ser diferente


TÍTULO : O preço de ser diferente

Autora : Mônica de Castro

Editora : Vida e Consciência

354 páginas

Personagens : Romero, Judite, Silas, Mozart, Plínio, Rafael, Júnior, Noêmia, Alex ... 

 

   




O livro tem uma história magnífica, Romero tem 14 anos e não sabe lidar com sua opção sexual – homossexual -  e não sabe como lidar com essas reações e desejos, na verdade nem ele sabe que é gay. Vive com um pai super preconceituoso, Silas, e uma mãe super passiva ao pai a Dona Noêmia, em que ele confia de verdade é sua irmã Judite. Romero passa por diversas situações complicas por meio da trajetória do livro, que se inicia quando ele é estuprado por Júnior, daí descobre seus sentimentos e a história começar a andar.
  A história tem duas faces: a primeira com Romero com 14 anos, expulso de casa porque o pai descobre um namoro com seu amigo Mozart, e depois que sua irmã Judite é esfaqueada e morta. A segunda, Romero tem que lidar com a inveja de Rafael, que é cunhado de Plínio, um médico bem sucedido que acolheu Romero quando ele mais precisava,dando- o estudos e moradia. A história novamente se eclode quando Eric, filho de 11 anos do médico, e grande amigo de Romero, é estuprado dentro de sua casa, daí voltando a mesma vertente do inicio do livro. Daí começando um julgamento intenso que perpetua até o final da história.
São raras os livros com temáticas homossexuais, ainda mais tendo um gay como protagonista de toda a narrativa, mas vale lembrar que isso não é a importância do livro em geral, e sim mostrar e explicar algumas teorias espíritas sobre a tendência homossexual. Sim, o livro é espírita. Mas, na verdade você nem percebe, pois os nuances são bem feitos, tão bem propostos acredito que tem a universalidade ali na obra. Só se da conta, quando em um certo momento da narrativa aparece o plano espiritual, esclarecendo a maior parte da história.
Eu que não conhecia de tais teorias, fiquei feliz em aprender mais sobre o porquê do homossexual ter essa trajetória, muitas vezes são pendências de vidas passadas ( UM LEIGO NO ASSUNTO FALANDO). Analisando em um perfil literário, a obra foi bem construída, uma pena que os “vilões” não tiveram suas punições “merecidas”, acho que isso que deixou um VAZIO no final. Mas, afinal era um livro com temática espírita, e teve sua proposta alcançada. Adorei a história de Romero.


Cordilheira

Título : Cordilheira
Autor : Daniel Galera
Editora :  Companhia das Letras 

175 páginas
Personagens : Anita, Julie,Daniel,Holden,Alexandra, Amanda ...



Confesso que nunca tinha escutado falar de Daniel Galera, e confesso também que não tinha nenhuma expectativa com o livro, Cordilheira. Mas, me surpreendi com o autor e gostei muito de sua linha narrativa.
 O livro narra sobre Anita escritora de 29 anos, que sofre com a morte do pai que tanta amava, e decide morar em Buenos Aires depois de terminar com o namorado e ver a amiga ser velada. O desejo maior da personagem principal é ser mãe, motivo do qual terminou seu relacionamento com Danilo. A história é bacana, ela vai para Argentina, fica tediada mesmo participando de coletivas com outros escritores e coqueteeis. Seu livro é premiado, e aclamado pela critica argentina, pelo seu livro narrar à história na Argentina. Até que em uma das entrevistas é surpreendida por um fã misterioso que lhe joga uma pergunta que a mesma nem sabia como responder, era Holden.
 Desde que Holden aparecera na história eu lia as páginas com um tom de suspense, não sei o porquê. Meio que fica um “climinha” misterioso quando Anita marca um encontro com Holden. De começo achei que ele fosse um psicopata, e para completar o mesmo também é escritor, só que de um livro só e fracassado. As relações de sexuais de Holden e Anita deixa o livro mais picante. Confesso também, que quando li as  primeiras páginas e deparei com os detalhes de relação sexuais sendo transmitidos para o papel de maneira sagaz, fiquei achando que iria ler um “ 50 tons de cinza Brasil”, mas esses momentos foram essenciais para certas partes da história.
O final é surpreendeu apesar de que eu já esperava  só que mão da maneira que foi     ( NÃO QUERO DAR SPOILERS, tem gente que não gosta). Cordilheira, é um romance ágil, sagaz, sem clímax chato, com suspense, e ainda consegue descrever paisagens e lugares de uma Argentina maravilhosa.