Menu Fixo

Menu-cat

28 junho, 2014

Códigos de Sangue - Capitulo 11

    Códigos de Sangue -  Capitulo 11

CONTINUAÇÃO

A chuva aumenta. O vampiro agarra os pés de Danilo, que se debate. Caio abocanha o pé do vampiro, que morde o braço de Danilo.

- Socorro – grita Danilo, enquanto é atacado pelo forte e bonito vampiro faminto.

Caio devora a perna do vampiro, e com os pés aperta sua garganta fazendo ficar sem ar.
 Plínio joga gasolina no vampiro. O vampiro se debate enquanto Caio o segura fortemente.

- O sangue dele é raro. O sangue dele é raro – diz o vampiro jogando bruscamente Caio longe, e sentindo uma queimação em sua boca. O vampiro se debate no chão ensopado.
- O sangue dele é envenenado – diz o vampiro, que é queimado com o fogo que Pérola joga nele. 

O vampiro vira pó. Vô Zé volta a sua forma humana.

- Me ajudem – pede Vô Zé.
- O que são vocês? – pergunta Danilo assustado e trêmulo.
- Nós somos os mocinhos – diz Caio.


2ª CENA ( Manhã) ( Escola da Vila)

O professor de História escreve algumas anotações no quadro enquanto explica matéria. Nanda anota precisamente no seu caderno enquanto Rafaela mexe ao celular. Sávio dorme em cima da mesa.

- 3º ano só quero relembrar que na semana que venha teremos nossa prova – diz Humberto. – Nós agora entraremos em uma matéria nova. Começaremos estudar sobre o povoamento de Vila Esperança, a história da Vila, de sua cultura, tradições e até de suas lendas – conta Humberto.
- Vai me dizer que vamos estudar saci, bruxa e lobisomem? Porque esse povo aqui da Vila adora inventar essas histórias – diz Nicolas.
- Segundo os manuscritos a Vila surgiu com a vinda das famílias Backe e das famílias Dobrovossk para esse lugarejo depois de inúmeras guerras, as famílias acabaram tornando-se aliadas para lutarem contra uma tal besta que rondava a redondeza.

O sinal bate.

- Aleluia ! – grita Sávio, levantando da cadeira.
- Até a próxima aula meninos – diz Humberto saindo de sala e juntando seu material.

3ª CENA ( Manhã) ( Casa dos Backer)

Danilo fica tremulo sem saber se o que acabara de acontecer era mais um de seus sonhos ou era real.  Danilo dá uns goles na xícara de chá preparada por Pérola. Ao seu lado Caio, Plínio e Pérola esperam Danilo se recompor. Vô Zé fica admirado com a presença de Danilo, e coloca um álbum enorme da família em seu colo. Vô Zé finta Danilo como se quisesse ler sua alma.

- Você sabe quem é você? – pergunta Vô Zé.
- Eu sou eu. Que história é essa. Caio eu quero ir para casa – diz Danilo se levantando.
- Você foi adotado não é? E sua família lhe adotou de um orfanato na qual você foi mandado – diz Vô Zé.
- Quem te disse isso? – pergunta Danilo amedrontado.
- Você gosta de história de amor? Então deixa eu lhe contar uma história real. Há vinte anos atrás um casal loucamente apaixonados resolveram assumir uma paixão que era proibida. Ela era uma lobisomem Backer e ele um frio Drovossk. Os dois sabiam que não tinha permissão do relacionamento sendo que há 300 anos antes as duas famílias haviam se juntado para destruir a besta da vila, e depois selaram um acordo de paz e limite. Que cada ser respeitaria a classe e individualidade do outro, não causando e nem provocando nenhum dano à outra espécie. Só que o pior aconteceu os dois mantiveram relações extremas e tiveram o filho, que fez que as duas famílias corressem perigos.O vampiro, pai da criança, estava prometido para casar com uma das filhas do Segundo Duque do Primeiro Estado, quando ele quebrou o protocolo vários clãs de vampiros vieram para Vila Esperança destruir a tal criatura de “sangue raro” que seria mais fortes que lobos e frios juntos. Essa criatura era você Danilo – diz Vô  Zé, causando espanto em todos.
- Eu? Um sangue raro filho de uma lobisomem e um vampiro? – se pergunta Dan perplexo. – Mas que eram os meus pais? – pergunta Danilo.
Vô Zé mostra uma foto que ele está em pé ao lado dos filhos Aurora, Saul, e Maria.
- O que tem a ver o álbum da família com ele? – pergunta Pérola.
- Essa aqui era minha filha mais nova, Aurora. Ela era corajosa, destemida, e brava guerreira. Uma lobisomem líder que sabia que comandar qualquer caçada, subia em qualquer árvore. Sabia atirar flechas como ninguém – conta Vô Zé.
- Vô, o que tem a ver minha mãe com essa história? – pergunta Caio, impaciente.
- Sua mãe é a lobisomem que quebrou o protocolo e se envolveu com o vampiro – conta Vô Zé.
- Mas, como assim? É meu pai? Ela traiu meu pai? Ele é meu ... – pergunta Caio sendo interrompido por Danilo.
- .... irmão. Eu sou irmão dele, então sou seu neto – diz Danilo.

- Você é um sangue raro, você é Vampsomem – diz Vô Zé.

Nenhum comentário:

Postar um comentário