Menu Fixo

Menu-cat

22 junho, 2014

Códigos de Sangue - Capitulo 9

Códigos de Sangue -  Capitulo 9

CONTINUAÇÃO

- Sua velha doida pare de falar caduquices – diz Vô Zé.
- Da última vez que me chamou de doida você perdeu dois do seus três filhos. E ainda metade de sua matilha. Vai querer duvidar de mim novamente? – pergunta Zora irritada.
- Preciso preparar meus meninos. A lua de sangue é somente daqui à dois meses. Precisamos nos apressar – diz Vô Zé. – Plínio, vamos voltar para casa – ordena.
- Até mais velho Zé – diz Zora despedindo de Vô Zé.

2ª CENA ( Noite) ( No hospital) 

- Estou muito fraco. Eu preciso de sangue logo – diz Sávio andando pelos corredores do Hospital Esperança.
Guilherme estranha presença de Sávio.
- Sávio, você por aqui? – pergunta Guilherme. – Sua mãe já acabou o turno dela ela não volta mais hoje – explica Guilherme.
- Aé cara, que cabeça minha. Acabei esquecendo, valeu por avisar – diz Sávio, que finge descer as escadas. Mas volta, abre a porta da sala de doações de sangue e entra. Sávio

 entorna cinco sacos de sangue.
- Delícia – diz Sávio, limpando a boca.


                      No dia seguinte ...

3ª CENA ( De manhã) ( Redação do Jornal)

Danilo revira sua mala e acha a foto dele no quarto da antiga foto. Logo em seguida acha um velho colar que ganhara de sua tia.

- Esse colar, nem tinha visto que estava nas minhas coisas – diz Danilo colocando-o no pescoço.
- Você madrugou hen. Nossa, ainda são sete da manhã, espero que não seja todo dia assim – diz Bianca, colocando a cabeça embaixo do travesseiro.
- Foi mal Bianca. Prometo que foi só hoje. Vou dar uma corrida pela cidade, aproveite e conheço a redondeza. Beijos – diz Danilo colocando o tênis e saindo do quarto.

Danilo corre pela cidade até chegar ao limite da estrada. Danilo fotografa o caminho enquanto corre pela estrada. O céu escurece de repente e as nuvens começam a ficar carregadas.

4ª CENA ( Manhã) ( Estrada 90)

- Não acredito, justo hoje que eu resolvi conhecer a cidade – reclama Danilo.
 – É melhor eu voltar antes que eu comesse uma tempestade- diz Danilo enquanto tenta usar o celular par ligar. 
– Nossa! Aqui não tem sinal de celular, que fim de mundo eu vim parar. A chuva aumenta, começa os raios e os trovões, Danilo fica todo encharcado e corre na chuva.

Um carro para ao seu lado.


- Quer carona?- pergunta Caio. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário