Menu Fixo

Menu-cat

23 julho, 2014

Resenha do filme O Jardim dos Esquecidos

Resenha do filme O Jardim dos Esquecidos


 O Jardim dos Esquecidos conta a história de uma família um tanto quanto perturbada. Após a morte do pai, os irmãos Chris, Cathy, Cory e Carrie, os dois últimos casulas e gêmeos, são levados pela mãe, que dependia financeiramente do marido, para a casa dos avós, em busca da herança do pai que está doente e quase morrendo, mas por algo que aconteceu no passado a avó das crianças não os recebe bem, e os prende em um quarto com uma escada que dá acesso ao sótão, por serem esquecidos e ficarem presos e por muito tempo lá e acabam fazendo um jardim. Várias coisas acontecem, Cory como os outros irmãos são envenenados pela mãe, mas esse, infelizmente acaba morrendo e os hormônios ficam a flor da pele e os irmãos Chris e Cathy se apaixonam.

 Esse filme é baseado em um livro de V. C. Andrews, teve sua versão original em 1979 e uma readaptação em janeiro de 2014, a qual eu assisti. É um filme, que pode perturbar os mais conservadores pelo fato de haver incesto no mesmo, mas ele é mostrado de uma forma suave, fazendo com que não fique escroto.

 Ao ler a sinopse do filme esperava algo um pouco parecido com Desventuras em Série, mas um pouco menos fantasioso, por causa da morte dos pais e terem que ir morar numa nova casa com um parente que não era conhecido, mas não tem nada a ver um com outro, O Jardim dos Esquecidos é completamente diferente, ele te deixa horrorizado com as atitudes da mãe e da avó, mas te encanta com o amor entre as crianças. É um filme surpreendente e que te prende na história e o final te deixa com aquela vontade de quero mais e a ansiedade de esperar uma continuação.


Por : Vinícius Costa, finalista do REALITY, O Roteirista. 

3ª Batalha Literária


A proposta da 3ª Batalha Literária foi escrever uma resenha fílmica. E mais uma vez, o participante Vinícius Costa mostrou um excelente desempenho na prova. Com palavras usadas corretamente, e uma crítica muito bem escrita o participante consegue convencer o leitor a assistir o filme, no caso a resenha foi sobre o filme “O Jardim dos Esquecidos” e parece que a readaptação feita em Janeiro de 2014 vale a pena ser assistida. Contudo, é a SEGUNDA PROVA que Vinícius se destaca. Com merecimento o participante está AUTOMATICAMENTE na final. 
Parabéns Vínicius !! 




Equipe “ELEA”.

22 julho, 2014

Entrevista com :Célia Ferreira


Célia Ferreira  -  Jornalista e Escritora





1.    Quais são suas referencias culturais aqui no Espírito Santo/ Cachoeiro ?

O primeiro capixaba que me conquistou foi o cronista Carlinhos Oliveira, quando eu ainda era quase uma menina, em Minas. Depois, Rubem Braga. Mais tarde um pouco, quando eu já morava no Rio, Sérgio Sampaio. E, por fim, Roberto Carlos, que todo brasileiro ouvia desde sempre, mas de quem somente passei a gostar mesmo depois de adulta. Quando cheguei a Cachoeiro, encontrei um universo cultural muito rico, conheci os artistas e intelectuais que fazem fervilhar a cultura local. Lamento muito que a gente não tenha um centro cultural, uma espécie de “espaço do artista cachoeirense”, onde poderíamos reunir a memória de muitos que já se foram, como o inesquecível Waldir de Oliveira, o Pingão, um músico de primeira linha, que tocou com grandes nomes brasileiros e reunia craques do samba e da MPB no bar dele, no bairro Santo Antônio.

2.    O que faz você ler um blog/ post / na rede?

Acho que todo mundo acaba lento um pouco os jornalões, o que hoje se chama de “mídia tradicional”. Quanto aos demais, aqueles sites que a gente descobre e acaba seguindo, acho que é a afinidade, uma visão de mundo semelhante. E é preciso que seja bem escrito e tenhaconsistência, credibilidade. Eu gosto de saber quem está fazendo aquilo, qual é a intenção de quem está por trás das notícias ou postagens. E até nos blogs culturais e de humor sempre há um posicionamento crítico, e isso precisa estar claro.


3.    Qual foi a sensação de ser homenageada com a “Comenda Rubem Braga”? E o que essa homenagem significa para um escritor capixaba?

Gostei muito, claro. Mas fica sempre a dúvida sobre o merecimento, tem muita gente por aí produzindo mais e melhor. Mas qualquer homenagem é importante, porque demonstra reconhecimento e ao mesmo tempo estímulo a uma atividade. No caso da cultura, é fundamental, principalmente quando vemos que este ainda é um setor que recebe pouco cuidado do poder público em todo o Brasil, e onde a iniciativa privada também não investe muito. O deputado Glauber Coelho foi muito feliz ao criar esta comenda.

4.    Você acha que o as obras de ficção e a fantasia têm espaço na literatura capixaba?

Sem dúvida, e há muitos escritores capixabas produzindo ficção, no mesmo nível do restante do país.Tanto que hoje se discutese existe uma “literatura capixaba”, como gênero, ou se o que há é apenas uma literatura brasileira produzida no Espírito Santo – o que, particularmente, me parece uma definição mais adequada. Mas, quando falamos em ficção no Espírito Santo, o que mais me chama atenção é a área de cinema e vídeo. Acho impressionante a quantidade de gente envolvida com essa área aqui no estado e o alto nível das produções. Em Cachoeiro mesmo temos uma galera bem jovem produzindo muito bem. Temos o festival de Muqui, cada vez mais vigoroso. Há um tempo atrás, a tecnologia era muito cara, o que afastava um pouco os jovens. Hoje, uma criança com um celular sai por aí gravando vídeos, e isso vai produzindo talentos, atraindo gente para a área. O que é muito bom!


5.    Qual sua fonte de inspiração para escrever “A Mulher sem Memória”? (Particularmente amei a capa). Como foi o processo para a publicação do livro com o apoio da lei Rubem Braga?

Também adorei a capa, todo mundo adorou (rsrs). É um dos muitos excelentes trabalhos do Diego Scarparo, que, além de ilustrador, também é um dos expoentes da área de cinema e vídeo aqui do estado. Mas o livro é uma pequena coletânea de crônicas que publiquei nos últimos 16 anos nos jornais locais. São quarenta histórias, apenas, escolhidas entre as minhas preferidas. O livro só existe devido ao convite da Editora Cachoeiro Cult e justamente à existência da Lei Rubem Braga. Eu não o teria publicado se não fosse a lei. O processo é simples, sem muita burocracia. Impossível deixar de parabenizar a atual administração municipal por ter feito a lei funcionar de fato. É uma ação cultural importante, que tem o poder de fomentar a cultura local, estimular a produção. Tomara que os sucessores do atual prefeito tenham a mesma sensibilidade.

6.    Você assiste séries? Quais?

Sou das antigas. Gosto de House,Cold Case, Modern Family e acho que ainda não apareceu ninguém para superar Seinfeld (rsrs). Das atuais, vejo Big BangTheory e achei BreakingBad fantástica. Mas o que mais gosto na TV hoje são os programasinacreditáveis, tipo O Incrível Dr. Pol, Renovators Austrália e Jéssica, a Hipopótama. E o melhor de todos: Buying Alaska (rsrs). Aliás, adoro tudo sobre o Alasca. Enfim, gosto de coisas sem nenhum sentido, sem nenhuma utilidade prática pra mim. Quanto pior, melhor.

7.    RAPIDINHAS

Livro favorito - Orlando, de Virginia Woolf
Autor favorito - Um poeta: Carlos Drummond de Andrade
Gênero musical favorito - MPB e derivados
Filme favorito -Muuuuito difícil escolher, então vou citar um clássico: Amarcord, de Fellini.
Série ou novela favorita – Já fui bem noveleira, mas hoje ando meio desanimada. Vou ficar com oSeinfeld.


EQUIPE “ELEA”

Entrevista com Roney Moraes


 


Roney Moraes


Jornalista, Psicanalista e Professor membro da Academia Cachoeirense de Letras (ACL).









1.             Quais são suas referências culturais aqui no Espírito Santo/ Cachoeiro ? ( Música, arte, literatura)

Há várias. Posso, ao citar algumas, cometer uma injustiça, mas... Vamos lá! Na literatura, em poesia, Newton Braga, Athair Cagnin e Milena Paixão são os maiores. Temos outros, mas são os que me vêm no momento. Crônica, sem sombra de dúvida, Rubem Braga. Célia Ferreira é, na minha opinião e de muitos, a cronista desta geração. Nem me atrevo a me considerar cronista, sou um escritor de artigos. No teatro, cinema e música temos muita gente interessante e fazendo um trabalho bacana. A Escola de Teatro Darlene Glória, o pessoal do Cineclube Jesse Valadão. Na música, Amélia Barreto, sem falar nas releituras de Sérgio Sampaio.


2.             Qual foi a sensação de ser homenageado com a “Comenda Rubem Braga”? E o que essa homenagem significa para um escritor capixaba?


Fiquei muito feliz com a indicação, não só a minha, mas de grandes amigos aqui de Cachoeiro e do Estado. Ser homenageado na Assembleia Legislativa com a comenda Rubem Braga demonstra que, mesmo aos trancos e barrancos, estou no caminho certo. 

Acho que a homenagem veio por conta da minha insistência em ser mais um agente cultural no meio de tanta dificuldade estamos sempre batalhando para divulgar as artes, não só a literatura, mas outras expressões também.


3.             O que faz você ler um blog/ post /?


Tem que ter algum assunto do meu interesse. Uma boa crônica, notícia, artigos de especialistas, principalmente na área da psicanálise. Mas leio de tudo.


4.             Você acha que o as obras de ficção e a fantasia tem espaço na literatura capixaba?


Sim. A dificuldade é para todos. Talvez o cronista e o poeta tenham um espaço menor ainda. Livros destes gêneros não são agradáveis às editoras comercialmente, já romances e ensaios temáticos têm muito mais espaço.


5.             Como é a rotina de um editor? O que leva a publicar um texto/artigo?


 Hoje, não atuo mais com edição. Meu trabalho com a clínica psicanalítica não permite. Faço meus próprios textos e os submeto ao crivo dos editores nos jornais e revistas que colaboro, mas é um trabalho de muita leitura e experiência. para ser um editor é necessário passar por todos os estágios da redação e também ser criativo. Não é fácil lidar com o texto dos outros.

6.             Você assiste séries? Quais?
  
Assisto várias: Criminal Minds, Lie To Me, House, Game of Thrones, Psi, Sessão de Terapia... Adoro animes e mangás também.

7.           RAPIDINHAS

Livro favorito: "Menos que Nada", de Slavoj Zizek.
Autor favorito: Rubem Braga.
Gênero musical favorito: MPB e um pouco de Rock.
Filme favorito: O Poderoso Chefão parte II
Série favorita: House

              
  EQUIPE “ELEA”

14 julho, 2014

Top 10 séries - NEW GIRL


A série é estrelada pela linda Zooey Deschanel, como Jessica Day (Jess).


Ela é uma professora adorável que se vê em uma terrível situação: ela foi traída pelo namorado e precisa arrumar um novo lugar para morar. Jess acaba encontrando um apartamento no qual residem três homens: Nick, um barman, Winston, um ex-jogador de basquete que aparentemente não para em nenhum emprego, Schimidt, um publicitário bem sucedido e Coach, um personal trainer.




Para ajudar a se recuperar de seu término e seguir em frente, ela ainda conta com a ajuda de sua melhor amiga, Cece, uma modelo.


É uma série de comédia e drama. Jess tem um coração puro, um jeito doce, divertido e atrapalhado. Adora dar aulas e sempre põe as necessidades de seus alunos na frente. Um dos episódios mostra Jess fazendo de tudo para dar um ótimo baile aos alunos, enquanto os outros professores não se importam e ainda tentam avacalhar. Tudo sempre com uma pitada (bem grande) de comédia. 




Top 10 séries - ONCE UPON A TIME



Top 10 séries - ONCE UPON A TIME 

 
Once Upon a Time (ou Era Uma Vez) é uma série de televisão norte-americana de drama e fantasia desenvolvida por Edward Kitsis e Adam Horowitz, os criadores da série Lost e do filme Tron: Legacy. A série estreou em 23 de outubro de 2011. 


Sou bastante suspeita para falar de OUAT*, uma vez que, AMOOOO MUITO essa série, acompanho desde o ano passado por indicação de uma professora. Vou tentar falar sobre OUAT* sem dar spoillers e tentarei ser imparcial rs. Vamos lá.
Primeiramente gostaria de frisar que considero esta série muito inteligente, pela forma como os escritores conseguiram fazer uma nova releitura e adaptação dos contos de fadas, na atualidade, de histórias que rechearam nossa infância (a minha infância, pelo menos, tinha doses diárias de princesas que enfrentam sozinhas bruxas malvadas, só para ganharem de brinde um príncipe em cima do cavalo branco no final PS: uma pieguice só).
Once Upon a Time traz em seu enredo uma nova visão sobre a Branca de Neve que sempre teve uma fama se solícita e pacífica nas histórias dos livros infantis, mas que em OUAT* tem uma personalidade bem mais legal tem atitude e é aventureira, assim como mostra o que aconteceu depois do “felizes para sempre”, mostra a filha da Branca de Neve e do príncipe Charming  (que é a personagem principal) e se chama Emma Swan. Toda a construção do seriado segue bem a linha clássica dos livros e por lá vemos os Sete Anões, Gepeto, Pinóquio e o Grilo Falante, Chapeuzinho e sua avó, além, é claro, de outro vilão de nome difícil de adivinhar: Rumpelstiltskin. Temos também a Rainha Má , mais conhecida como Evil Queen ( linda , rica, fina e poderosa), já deu pra perceber que esta é minha personagem favorita né ? Sim, eu ADORO a evil queen , simplesmente pela forma humana com que  os escritores deram a ela. Na série ela é má – muito má – mas vocês irão perceber que a personagem tem uma história por trás dessa “malvadeza toda” e que justifica (ou não) suas atitudes.
Enfim, não deixe de assistir ONCE UPON A TIME, tenho certeza que você irá se encantar pela série que vale muitíssimo a pena assistir. São vários os motivos. Além de ser muito bem produzida, ter ótimos atores e um enredo muito bem amarrado, ainda por cima é apaixonante. Viciante é a palavra mais adequada. São atores como Ginnifer Goodwin, Josh Dallas e Jennifer Morrison. Sem esquecer, claro, dos vilões incríveis, que são Lana Parrilla e Robert Carlyle. Sem dúvida, por vezes, esses dois roubam a cena. São divos os dois.

 
 *OUAT= Once Upon a Time 


Até mais , 
Lorraine Dobrovosk

11 julho, 2014

Códigos de Sangue - Capitulo 15

          Códigos de Sangue -  Capitulo 15

CONTINUAÇÃO ..

- Calma Danilo. É só um pesadelo – diz Renato abraçando Danilo.
Danilo sente-se atraído por Renato, ao ser confortado com seu abraço acolhedor.
- Que dor de cabeça  - diz Renato.
- É ... Renato .. quer dizer chefinho. Eu preciso ir – diz Danilo.

                                      2 dias depois ...

2ª CENA ( Tarde) ( Na lanchonete Mix)

- Não sei de quem foi a ideia de fazer a festa aqui? – reclama Bianca.
- A ideia foi do Danilo e eu adorei – diz Rafaela.
- Acho o espaço que a Lívia tem super agradável. Pare de reclamar Bianca- diz Danilo, enquanto termina de prender os balões na parede.
- A festa está ficando linda  - diz Rafaela.
 - E eu vou querer registrar todos os momentos – diz Felipe fotografando.
- Gente, a muito tempo que não vejo minha lanchonete tão bem arrumada – diz Lívia sorridente. – Mas, não podemos parar temos muito trabalho. Outra coisa, como vocês vão conseguir enrolar o Renato? – pergunta Lívia intrigada.
- Eu já dei meu jeitinho. O papai foi pescar com o tio Marcelo, sabe fazer um programa de irmão – conta Rafaela.
- Ok, precisamos no apressar. Felipe vá buscar a aparelhagem de som, Bianca vá buscar o bolo – pede Danilo.
- Ah festa vai bombar – diz Rafaela empolgada.

3ª CENA ( Tarde) ( Casa de Guilherme)

Guilherme escuta a campainha tocar, abre a porta e se depara com Sávio.

- Surpresa! – diz Sávio entrando na casa de Guilherme.
- Você? Aqui? – pergunta Guilherme, meio desnorteado.
- Chega de momento pós-traumático. Você precisa viver, vampiros também vivem, comem tranzam. Minha mãe já reclamou de sua ausência no hospital. Você não pode deixar que eles percebam nada senão .. – explica Sávio tentando reanimar.
- Cara, eu to morto – diz Guilherme cabisbaixo.
- Você tá mais vivo que nunca. À noite eu te encontro na lanchonete precisamos nos alimentar. Beleza? Ah, evite água benta ... ela arde e deixa sua pela deformada por alguns dias. Nada de ir se confessar com o padre na igreja – diz Sávio rindo.
- Droga – diz Guilherme socando o vidro da sala.
- Até mais meu camarada – diz Sávio.
- Volte aqui, como eu faço para voltar ao normal? – pergunta Guilherme, percebendo que Sávio desaparecera.

4ª CENA ( Noite) ( Lanchonete Mix) 
Marcelo estaciona o carro em frente a lanchonete.

- Renato, eu preciso pegar uma encomenda com a Lívia. Vem comigo – diz Marcelo saindo do carro.
- A lanchonete já fechou, a Lívia já deve está no último sono. Você tá de treta. Vai me dizer que você tá pegando ela? – pergunta Renato.
- Você viaja né Renato – diz Marcelo batendo na porta lateral da lanchonete.
- Eu conheço o garanhão que você é. Olha! A porta está aberta. Que estranho – diz Renato abrindo a porta. A luz se ascende e todos gritam. Renato fica surpreso. Bianca e Rafaela surgem com o bolo e cantam o parabéns.
- Parabéns papito – diz Rafaela, o abraçando.
- Parabéns chefe – diz Felipe, o cumprimentando.
- Parabéns Renato – diz Bianca, o abraçando fortemente.

Danilo se aproxima.

- Não vai me dar um abraço não? – pergunta Renato.
- Parabéns chefinho – diz Danilo abraçando, e sentindo o seu perfume doce.
- Obrigado pela noite de ontem – agradece Renato.


Códigos de Sangue - Capitulo 14

Códigos de Sangue -  Capitulo 14

CONTINUAÇÃO

- E tem como recusar algum pedido seu? – pergunta Danilo abraçando-a.         
– Preciso ir – diz Danilo se se despedindo. Rafaela fecha a porta de casa. Danilo atravessando à rua e vê Renato caído ao lado da caminhonete.
- Renato – diz Danilo correndo em sua direção. – Você está bebendo de novo – diz Danilo surpreso. – Vamos vou te levar para casa  -diz Danilo o levantando.
- Não – diz Renato se recusando a ir para casa. – Eu não posso deixar que a Rafaela me veja assim – diz Renato chorando.
- Não precisa chorar. Mas para onde eu vou te levar? – pergunta Danilo.
- Na cobertura da redação tem um quartinho velho com um sofá macio – diz Renato. – Você con-se-gue me carregar até lá? – pergunta Renato, ainda no efeito do álcool.
- Moleza, vamos  - diz Danilo carregando Renato para o prédio do jornal

2ª CENA ( Noite) ( Fora da cidade)

Marcelo senta na mesa com Laura.
- Eu preciso da sua ajuda – diz Marcelo. 
– Tem algum de vocês matando em Vila Esperança? – pergunta Marcelo.
- Marcelo que acusação grave. Algum de nós? Eu sou de uma classe superior a daqueles cães fedidos e babões – diz Laura rindo, em quanto toma um drik.
- Laura, estou falando sério. Você sabe alguma ameaça em Vila Esperança? – pergunta Marcelo.
- Você deve apenas ficar de olho no garoto novo, o tal jornalista. Ele sim é uma ameaça – diz Laura.

3ª CENA ( Noite) ( Cobertura do Jornal da Vila)

Renato entra cambaleando, e cai em cima de Danilo que cai deitado no sofá.
- Renato, acorda! – diz Danilo tentando tirar Renato de cima dele.
- Renato colabora por favor só porque você é meu chefe não quer dizer que eu tenha que ter medo de tampar água gelada na sua cara – diz Danilo, enquanto Renato falava sozinho.
- Boa Noite. Preciso ir dormir – diz Danilo o tapando com uma colcha.
- Fique aqui. Por favor fique aqui comigo, não me deixa sozinho – diz Renato segurando em suas mãos.
- Ok, você que manda – diz Danilo sentando ao lado de Renato, que se aproxima de Danilo fazendo suas pernas de travesseiro.
Danilo admira Renato enquanto dorme.

4ª CENA ( Manhã) ( Sonho)
Barulhos horripilantes ecoam pelo floresta num misturo de uivos e gritos de pavor humanos. Zora, de cabelos brancos compridos e um lenço na cabeça vê o bebê chorando no chão, perto de um arbusto. Zora leva uma flechada deixando a cesta cair no chão.
Danilo acorda assustado.


- Socorro  - grita Danilo, acordando Renato ao seu lado.

Códigos de Sangue - Capitulo 13

Códigos de Sangue -  Capitulo 13

CONTINUAÇÃO ...

 - Você deve estar me confundindo com alguém – diz Danilo envergonhado, levantando da mesa.
- Até parece que eu ia esquecer “ Moço, por favor. Cadê o meu pai” – diz Guilherme remedando Danilo. – Ótimo ator, já tentou ir para Holywood? – pergunta Guilheme.
- Lívia, suspende meu suco. Eu preciso ir – diz Danilo saindo. Guilherme segura o braço de Danilo fortemente.
- Você sabia que eu podia ter perdido meu emprego por sua causa – conta Guilherme.
- Me solta. Me desculpe eu precisava daquela informação era o único jeito de eu conseguir o emprego – diz Danilo. – Me perdoa – suplica Danilo.
- Você me deve uma – diz Guilherme mostrando o pingente com o retrato de Danilo e Celi.
- Meu pingente – diz Danilo pegando-o. – Muito obrigado – agradece Danilo.
Felipe aproxima.
- Algum problema aí Danilo?  - pergunta Renato.
- Nenhum, eu já estava de saída – diz Guilherme saindo.

2ª CENA ( Noite) ( Jornal da Vila)
Danilo pesquisa sobre lobisomens e vampiros no sites de pesquisas da internet. Danilo chora ao lembrar de Celi.

- Por isso os meus pesadelos. Agora tudo faz sentindo. Mas como eu vim parar aqui? É tudo muita coincidência – diz Danilo. – Rafaela – lembra Danilo.

Danilo desce as escadas do prédio da redação, atravessa a rua e toca a campainha da casa de Rafaela. Rafaela abre, e Danilo vê Caio sem camisa.

- Oi Caio. Rafa sinto muito atrapalhar mas eu preciso ter um papo sério com você – diz Danilo.
- Sem problemas, o Caio já estava de saída  -diz Rafaela beijando-o.
- Até mais amor – diz Caio saindo sem cumprimentar Danilo.
Caio sai deixando Rafaela e Danilo a sós. Danilo entra.
- Rafa, me diga a verdade. Realmente foi você que me enviou o email com a proposta de trabalho? – pergunta Danilo, que finta Rafaela seriamente.

3ª CENA ( Noite) ( Hospital)

 Sávio abre a porta da sala de doações de sangue e bebe um saquinho de sangue O positivo. Sávio não consegue se controlar e bebe mais saquinhos de sangue. Guilherme entra na sala e vê Sávio com a boca toda avermelhada, bebendo o sangue dos saquinhos.

- Que doidera é essa? O que você faz aqui na sala de sangue reserva? – pergunta Guilherme assustado.
- Segredinho, você não pode contar para ninguém – diz Sávio, rapidamente se materializando ao lado de Guilherme e mordendo o pescoço dele. Guilherme tenta gritar, mas Sávio é mais forte se delicia com o sangue de Guilherme. – Pode deixar não vou lhe dar o gosto da morte – diz Sávio, lambendo os beiços e jogando Guilherme no chão desmaiado.
- Que sangue gostoso. Você vai odiar a vida de vampiro. Seja bem vindo. Ah, evite alho e estacas de madeira essas são as únicas coisas verdadeiras que devemos evitar – diz Sávio arrumando à sala.

Guilherme fica desacordado.

4ª CENA ( Noite) ( Casa de Rafaela)

- Não  -diz Rafaela.
- Eu sabia – diz Danilo.
- Se você sabia por que me perguntou? – pergunta Rafaela.
- Eu só queria ter certeza. Quem será que enviou aquele email? Quem me queria aqui? – se pergunta Danilo, pensando alto.
- Tá falando sozinho Danilo? – pergunta Rafaela. – Aproveitando que você é uma pessoa hiper mega animada e criativa eu quero que você me ajude a fazer a festa surpresa de aniversário do meu pai no final de semana –pede Rafaela.
- Mas a Bianca ficará chateado se eu ajudar – diz Danilo.

- Sem problemas depois eu resolvo com ela – diz Rafaela. -  Você topa? – pergunta Rafaela.