Menu Fixo

Menu-cat

24 dezembro, 2014

Amigo oculto, amigo x, ou amigo da onça

Pisca pisca, panetone, árvores, rabanada, iluminação. Gente na rua, gente comprando, gente comprando, liquidação. Tirar papelzinho, comprar presente, embrulhar presente, começar amigo oculto. Amigo oculto, amigo x, ou amigo da onça?  Natal é época de presentear, e o amigo oculto é sempre a melhor maneira de fazer com que todos sejam presenteados.
Tem amigo oculto na família em que sempre tem aquela sua tia que lhe dá um pé de meia e não percebe que você já tem barba na cara e não precisa ganhar os mesmo presentes dos anos anteriores.  Tem o amigo oculto do trabalho em que na maioria das vezes você tira um de seus desafetos ou na maioria dos casos não sabe o que comprar. Pior ainda: é quando você tira o seu chefe e fica piradinho por conta de escolher o melhor presente. Ou você escolhe um bom presente e acerta o gosto OU está demitido. Acho que a primeira escolha é melhor. Tem o amigo oculto do grupo de amigo, aquele que vira uma gozação e tem sempre gente perguntando : “ Ué, mas não era de 10 reais?, quando na verdade é de 30 reais. Mas isso não importa TANTO, perto de tanto alegria que é reunir um grupo.
Daí você começam “ É uma pessoa legal, especial e muito querida”, ta bom percebemos que ou a pessoa detestou quem tirou ou não conhece nadinha da pessoa. Ou aquelas pessoas que começam falando ao contrário é “um menino, magro, bonito” é na verdade é uma menina, fofinha e com o rosto cheio de espinhas – por conta da adolescência, situações típicas dessas brincadeiras. Tem sempre uns criativos que presenteiam com um par de brincos e fazem um embrulho do tamanho de uma geladeira, tem aqueles embrulhos super chamativos com papel celofone laranja/rosa/ vermelho e rodeado com fitilhos, também tem aqueles engraçadinhos que fazem uma sacanagem fazendo o amigo abrir uma caixa pura cheia de jornal.

         Dizem que deveria ser chamado de Amigo da Onça porque sempre há mais pessoas que não gostaram do presente do que pessoas que amaram o presente,  sempre há um tom de falsidade nas falas pré anúncio do amigo retirado, mas é natal. Essas brincadeiras movimentam, surpreendem e deixam o clima de final de ano mais divertido. Qual graça seria “ Eu tirei uma pessoa que não suporto, ela é chata, ridícula e eu não queria tirar essa pessoa” – putz – acabaria a graça da brincadeira, cada um pegaria seu prato de natal e voltaria para sua humilde residência. 

por: Ronald Onhas 


Nenhum comentário:

Postar um comentário