Menu Fixo

Menu-cat

02 junho, 2016

Segundo dia de Bienal e "Os Trovões de Antigamente".



        Ontem, dia 01 de Junho, aconteceu mais um dia cheio de eventos seguindo com a programação da VI Bienal Rubem Braga. Às 09h e às 14h ocorreu o debate “Produção de Conteúdo Para a Internet” contando com a presença de Daniel Furlan (SP), Ian SBF (RJ) e Raoni Huapaya - Neples/IFES (ES), que levantaram temáticas como a migração de artistas e público da TV para a internet, e claro, a produção dos conteúdos para a rede. E também aconteceu a tradicional feira de livros, que está aberta ao público durante todos os dias do evento.
Durante a noite, a equipe Entrelinhas & Afins esteve presente no debate “Os "Dilemas" das Identidades de Gênero na Construção de Personagens Literários”, que teve como debatedores J.P. Cuenca (RJ), Andrea Del Fuego (SP) e Milena Paixão (ES). Os autores argumentaram sobre a literatura e os temas transversais. Um dos debates foi produção literária para humanidade e não para uma parcela da população, como literatura para homem, mulher etc, mas uma literatura para todos.

(J.P. Cuenca, Milena Paixão e Andrea Del Fuego)

Também foi discutido sobre as condições de produção dos autores, a paisagem mental bem como a liberdade de leitura muito bem apontado pela autora Andrea Del Fuego, que citou o autor Pierre Bayard para tratar do assunto. Andrea discutiu sobre a temática que Pierre Bayard traz em sua obra “Como Falar Dos Livros Que Não Lemos”, que fomenta questões da defesa do não-leitor e as imposições de leituras que são feitas ao sujeito.
A autora, ainda utilizando Bayard, disse: “Você tem que ser capaz de fechar um livro se ele não te diz nada, mesmo se for um Machado de Assis”, ilustrando a temática discutida no memento que era sobre liberdade de leitura. Os debatedores também estavam comentando para a platéia sobre a produção de livros infanto-juvenis com temas transversais, como as editoras e o público se comportam.
Entretanto, a mesa-redonda precisou ser interrompida, pois a natureza resolveu dar o ar da graça e trazer um pouco de chuva para nossa cidade. Foi São Pedro lendo a crônica de Rubem Braga, “Os trovões de Antigamente” que resolveu ilustrar nosso momento literário com muita chuva, trovões, raios e ventania. Brincadeiras à parte, o evento precisou ser interrompido por conta do temporal, as pessoas foram retiradas do local pela quantidade de água que estava entrando no espaço onde ocorria a palestra, o que foi uma pena, pois o debate estava muito prazeroso e interessante.
Na feira de livros, muito material foi molhado pelas águas, mas acredito que os vendedores conseguiram conter o imprevisto e salvar os livros. Hoje pela manhã, a Bienal ficou interditada para que tudo estivesse nos conformes para a visitação e, segundo informações, o evento já foi reaberto agora à tarde e permanece com a programação normalmente.

Mais informações de como está a o andamento da Bienal em nossas redes sociais. Estaremos fazendo a cobertura do evento nos próximos dias, lembre-se de nos seguir em nossas redes sociais (Facebook, Intagram, Twitter e Snapchat (entrelinhasea)) e ficar ligado em qualquer novidade.

Até mais!

Um comentário:

  1. Quem diria, que Rubem e seus trovões iriam dar o ar de suas graças, rs. Ainda bem que tenho você pra contar como foi!!! <3









    ResponderExcluir