Menu Fixo

Menu-cat

16 junho, 2017

CONTOS DESCOLORIDOS: Filho homem

Sabe, é difícil pra um pai que tem seu primeiro filho homem fazer isso. O momento certo de iniciar a vida sexual do filho. Fiquei todo desajeitado, viado. Eu já tinha levado ele na Vila Rubim umas duas vezes e não tinha tomado coragem de entrar lá com ele, logo eu que passei pelo mesmo. Foi lá que meu pai me levou também. Mas eu, olhando ele comer a coxinha com a graça toda concentrada no mindinho levantado, não tinha como: de hoje não ia escapar! Tinha ou não tinha orgulho do meu filho homem?! Seus braços finos, as unhas impecavelmente feitas, e os cílios arqueados naturalmente.


Ele, Shenisley, tinha acabado de fazer quinze anos - minha Deusa!, como passa rápido pra um pai. Já era hora dele saber a parte boa da vida. Se a gente não interferir vai que cai pro outro lado, né viado? Aí, virei para ele, hoje você vai aprender a ser viado! E ele, ele tirou o foco da coxinha e me olhou com aquela cara de olho brilhante de bicha novinha? Santa Gal! Não tem aquela idade quando os pelos do bigode - misericórdia! - os pelos do sovaco começam a crescer tudo embaixo e lá atrás também? Tudo nele estava assim: adolescenta! Mas viado só aprende a ser viado em sauna. E ele me perguntando com os olhos brilhantes, onde, né? Na sauna, meu filho. 


E ele não pode acreditar. Ficou de olhos arregalando, me perguntou todo com as mãos sacudindo se era sério? Se eu ia deixar ele ir pro quarto escuro com um tipo caminhoneiro de mão grande; se ele podia fazer tudo. Como sabia tantos detalhes? Calma, calma, Shenisley! Foi um alívio. Já pensou você vira pro seu filho e tem um orgulho desse? Esse gosta de homem mesmo! Só de ouvir falar em sauna pra macho, graças a Deusa! Só de ouvir falar em tanga; em pelos fartos no peito; barriga de cerveja; barba arranhada; veias à mostra, saltando, pulsantes, e, e pra reforçar os olhinhos que não acreditavam: vamos na sauna sim! Shenisley me abraçou todo afoito!


É, comigo não foi fácil assim, meu pai teve de forçar, ser vigilante. Admito que quando mais novo eu enveredava pro outro lado dum rabo de saia, mas a Deusa que é justa a tudo transforma e sou o que sou hoje: um viado de classe; casado tem quinze anos; filha lésbica na graças da Deusa e esse agora, pelo fogo de Santa Inês!, com esse não vou ter trabalho na vida, até a chuca ele disse que já tinha feito, acredita? É muito orgulho ter filho viado!


por: Hugo Augusto Estanislau, bancário e formado em Letras, pela UFES. Autor de "Boneca atrás da feição Oca", publicado em 2016. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário