Menu Fixo

Menu-cat

02 julho, 2017

Resenhas do Abou: O senhor do lado esquerdo, de Alberto Mussa



         A literatura brasileira reinventa-se a todo o momento. Os romances urbanos, por exemplo, tiveram já várias características, influenciadas pelos seus autores e pelo contexto social da época. Esse gênero teve como grandes representantes Machado de Assis, José de Alencar e outros. Na atualidade, uma obra que conserva esse estilo de maneira contemporânea é ‘‘O senhor do lado esquerdo’’, do carioca Alberto Mussa.



         Esse livro não comprei, ganhei de presente de aniversário. A capa logo me agradou, fazendo referência ao sangue, e atrás, uma grande construção. O romance se passa na Cidade Maravilhosa no início do século passado, quando ela era a capital do país, no governo de Marechal Hermes. O secretário da presidência morre em um refinado prostíbulo da época, que funciona sob a fachada de uma clínica médica, comandada por um cientista fascinado pelas fantasias sexuais femininas, o doutor Zmuda, comparado por estudiosos em Letras ao protagonista de O Alienista, de Machado de Assis. Durante a investigação, a polícia se depara com um malandro do cais do porto, suspeito em relação ao crime, entrelaçando várias histórias, ilustrando bem a história e a geografia cariocas.
         O romance é construído, predominantemente, no estilo policial, que consegue surpreender o público, com vários fatos históricos, que também servem para confundir os que tentam desvendar os mistérios presentes na obra.  Misturando realidade e ficção, esses dois elementos tornam-se tão homogêneos que é difícil saber o que é verdadeiro e o que é invenção na obra. Com uma linguagem bem clara e objetiva, o livro assemelha-se bastante ao estilo das novelas, atribuindo bastante agilidade para narrar os fatos, possuindo também elementos marcantes das crônicas cariocas, que são caracterizadas pela narrativa do espaço com base em um fato, geralmente, relacionado ao crime. Além da análise espacial, a obra leva à reflexão sobre o desejo sexual e o seu controle.
Voltando ao enredo do romance, temos o investigador Baeta, que é designado para resolver o crime, mas foge dos perfis de imparcialidade da polícia, pois frequenta a Casa das Trocas (nome do prédio) e teve uma suposta relação com a suposta assassina, a prostituta Fortunata, uma personagem misteriosa, irmã do capoeirista Aniceto, um típico malandro e sedutor carioca, que ameaça até o relacionamento amoroso do perito Baeta, envolvendo-se numa disputa de poder e virilidade, proposta na própria orelha do livro. Outro personagem é Rufino, um velho feiticeiro, que traz o sobrenaturalismo, interferindo na pesquisa científica do Dr. Zmuda e na investigação policial de Baeta.



         Ao abordar os fatos históricos e os ficcionais, Alberto Mussa usa de sua descrição extremamente detalhada, unindo bem esses fatos que, muitas vezes, são abordados nos romances de forma isolada, como se não houvesse uma união entre os mesmos. Outra qualidade da obra de Mussa é mais uma vez a mistura, mas, dessa vez, dos personagens, que são de diferentes instâncias sociais, desde um político até um capoeirista. Quebrando os valores morais, em relação à aparência, o romance é realmente inovador.
         Com livros traduzidos em dez países, Alberto Mussa aproxima os leitores de diferentes cidades e países ao Rio de Janeiro, expressando bem suas referências e diferenças culturais. A impressionante capacidade narrativa do autor comprova seu poder comunicativo e também poético, pois consegue levar o leitor à reflexão.
         É difícil falar sobre um livro que envolve suspense, pois não é nem um pouco legal dar spoiler, né? Caso você queira saber um pouco mais sobre o livro, confira essa entrevista cedida pelo autor ao apresentador Jô Soares, em 2011, clicando aqui (ele fala sobre o livro até o minuto 5).



Então, encerro essa resenha afirmando, mais uma vez, que O senhor do lado esquerdo é uma obra que vale muito a pena ler, por ser repleta de elementos criativos, envolvendo ficção e realidade de maneira inovadora e contemporânea.
                  


Nenhum comentário:

Postar um comentário