Menu Fixo

Menu-cat

23 setembro, 2017

A magia da XVIII Bienal do Livro do Rio

Olá, Eleanáticos! Como vocês estão? Hoje eu, Vitor Abou, venho contar pra vocês um pouco sobre a minha experiência na 18a Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro. Vinte dias depois desse momento maravilhoso da minha vida falarei um pouco do que vivi lá como autor e como espectador também.


Para começar, tenho que destacar que em todos os dias o evento esteve bastante cheio, até nos dias de semana, já que várias escolas levaram seus alunos. Fiquei muito feliz em ver os alunos se maravilhando pelo universo literário. Logo na entrada, os acessos não eram difíceis e havia boa sinalização.

Quando passei pela entrada após feito o credenciamento por ser autor, deparei-me com o Pavilhão Laranja, voltado principalmente para o público infantil. Nesse pavilhão, a maioria das editoras eram de livros infantis e muitas estavam promovendo atividades lá com as crianças, como contação de histórias e personagens.

Logo após o pavilhão Laranja, vinha o Azul, o mais cheio no dia que eu estive lá (dia 02). Nesse pavilhão, estavam as principais editoras, como Intrínseca, Rocco, Cia. das Letras, Globo, Saraiva. Logo de início, entrei na Intrínseca, que esteve absurdamente cheia, porém com atendimento bem rápido. Os principais destaques eram os livros de Jojo Moyes, autora de ''Como eu era antes de você'' e os da linha ''Extraordinário'', de R. J. Palacio e que em breve terá seu filme lançado. Atraindo leitores e fãs do livro, a editora investiu pesado na parte artística e também colocou uma estátua do personagem Auggie para foto interativa. Esse stand foi o meu preferido e trouxe outros destaques, como os livros ''Piano Vermelho'' (que eu não resisti e comprei) e ''Caixa de Pássaros'', ambos de Josh Malerman. O livro da personagem Duny, de Girls in the house, também esteve presente e acabou rapidinho.


Próximo ao stand da Intrínseca, estava o da grupo Cia. das Letras, que eu confesso que não entrei já que estava muito cheio, porém as atrações eram ótimas, incluindo dia de autógrafos com personalidades como Rodrigo Hilbert, lançando seu livro.

Já na Rocco o destaque com certeza vai para Harry Potter. A editora investiu mesmo na obra e em seus volumes, com direito a espaço para foto com a vassoura do Harry. No stand, também houve espaço para outras obras como a coleção de Divergente e as de Clarice Lispector, que tinham um espaço bem pequeno, mas lindo para os fãs da autora.


Fazendo um breve resumo, as outras editoras também arrasaram, como a Saraiva, que apresentou vários momentos de autógrafo, além de ter uma cadeira de GoT, mas que não era exclusividade dela. Na Saraiva, comprei o livro ''Hibiscos roxos'', da nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie. Em breve terá resenha! A Harper Collins também mandou muito bem com livros famosos, como Assassinato no Expresso do Oriente, de Agatha Christie, que também comprei, pois em breve lançará o filme desse sucesso.

Foto do site http://cabanadoleitor.com.br/harpercollins-bienal/

O pavilhão azul também contou com outros eventos como o Café Literário, um bate papo com várias personalidades e escritores, como Maurício de Sousa, Mario Sergio Cortella, Leandro Karnal. No azul, também estava o stand da editora Litteris, onde eu, Vitor Abou, apresentei meu livro ''As vozes do além'' e fiz uma sessão de autógrafos, contando com amigos e familiares. Sobre essa experiência, a defino como uma das mais marcantes da minha vida ao receber o carinho dos leitores e sentir a sensação de reconhecimento por esse projeto que tanto gosto. Foi incrível!


Já no último pavilhão, o Verde, o principal foco era o público nerd e geek, com vários livros voltados para essas pessoas, como HQs, mangás, livros de ficção científica, dentre outros.

Como sempre, a Bienal do Livro do Rio foi INCRÍVEL, simplesmente, ESPETACULAR. Em 2019, espero conferir novamente esse evento tão especial para nós, amantes literários. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário